Paulo Franke

08 outubro, 2013

Jovem alemã descobre que é neta de carrasco nazista...




Oliver Hardt - 26.set.2013/AFP-Wikimedia Commons - 29.ago.1945

Alemã descobre que é neta de oficial nazista conhecido por seu sadismo na Polônia



DENISE MENCHEN
EDITORA-ASSISTENTE DE MUNDO



Em 2008, aos 38 anos de idade, a publicitária alemã Jennifer Teege fez uma descoberta que a deixou chocada: seu avô, que ela não chegou a conhecer, era o infame comandante Amon Göth, do campo de concentração de Plaszow, na Polônia, cujo sadismo se destacou até mesmo em meio à barbárie nazista.
A revelação, depois de tantos anos, teve um efeito ainda mais devastador sobre Teege porque ela é negra, fala hebraico e viveu por quatro anos em Israel.

"O que ele diria sobre isso? Para ele, eu seria uma bastarda, uma mácula na honra da família. Meu avô com certeza teria me fuzilado", afirma ela no livro "Amon", que acaba de lançar na Alemanha (ainda inédito no Brasil).
A suposição não é por acaso. Göth, que acabou julgado e enforcado em 1946, entrou para a história como um dos mais cruéis oficiais nazistas.
No campo de Plaszow, costumava atirar em prisioneiros de forma aleatória, da sacada de sua residência -uma cena imortalizada no filme "A Lista de Schindler", de Steven Spielberg, lançado em 1993, com Ralph Fiennes no papel de Göth.
Teege, hoje com 43 anos, já havia assistido ao filme, mas sequer suspeitava que pudesse ter algum parentesco com o nazista.

ACASO

Em entrevista à Folha, ela conta que a descoberta de suas origens ocorreu por acaso, durante uma visita à biblioteca central de Hamburgo, no norte da Alemanha, onde mora com o marido e os filhos.
À procura de obras sobre depressão, um problema que por muito tempo a afetou, acabou puxando da prateleira um livro chamado "Eu preciso amar o meu pai, não?".
Primeiro, foi a foto na capa que lhe pareceu familiar. Depois, o nome e a data de nascimento da personagem principal do livro não a deixaram ter dúvidas: tratava-se da história de sua mãe, Monika Göth, com quem ela não tinha contato havia anos.
Fruto de um relacionamento de Monika com um estudante nigeriano, Teege nasceu quando os pais já não estavam mais juntos.
Com poucas semanas de vida, foi entregue pela mãe a uma instituição de freiras. Viveu no local até quase completar quatro anos, quando foi então morar com a família que depois a adotaria.
"Depois disso, não tive mais contato com a minha mãe. Ela também já não usava mais o nome de solteira e eu não recebia muitas informações do órgão responsável pela adoção", conta.
Ao ver a foto e o nome da mulher no livro encontrado na biblioteca de Hamburgo, porém, as lembranças voltaram à tona. Ela se recordou de como, ainda criança, escrevera o nome Jennifer Göth em seu primeiro caderno -o sobrenome, depois, acabou trocado pelo da família adotiva.
"A descoberta me deixou completamente transtornada", conta ela, que pediu para o marido buscá-la na biblioteca e passou dias sem sair de casa -primeiro para ler o livro, depois para absorver o impacto de suas páginas.
Mesmo passado o choque inicial, sua vida não foi mais a mesma. Ela decidiu procurar a mãe, e as duas voltaram a se encontrar.
Segundo Teege, a mãe disse que optara por ocultar a história da família para tentar protegê-la do passado, pelo qual ela mesma se sentia assombrada.
"Ela achava que seria melhor se eu não soubesse de nada. Mas qualquer verdade é melhor do que o silêncio", diz a publicitária. "O encontrou foi bom, mas depois perdemos contato novamente."
Sobre o envolvimento de Monika com um nigeriano, Teege afirma que o que aconteceu foi simplesmente paixão.
"Não foi nenhum tipo de protesto", diz, em resposta à pergunta da reportagem sobre se o relacionamento poderia ter sido uma forma de Monika tentar se distanciar da memória de Amon Göth.

HOLOCAUSTO

Além de procurar a mãe, Teege também passou a pesquisar a fundo sobre o papel do avô no genocídio de milhões de judeus.
"Viajei para a Polônia e passei a me ocupar de forma intensiva com o Holocausto. Eu me sentia terrivelmente mal pelos atos dele, mas não responsável. A culpa é algo que não se herda."
Mesmo assim, ela estava preocupada com a forma como seus amigos, especialmente os judeus, iriam reagir à revelação.
Nos quatro anos em que viveu em Israel, para onde foi com 20 anos para se dedicar a estudos sobre o Oriente Médio e a África, ela já sentira um certo mal-estar por causa de sua nacionalidade.
"Isso acontece com muitos alemães. Viver lá foi muito bom e nunca fui alvo de rejeição, mas às vezes me senti desconfortável", diz.
Com a descoberta de suas origens, o temor era que seus dois principais amigos em Israel pudessem se afastar.
A resposta deles, narrada no livro, a tranquilizou: "O Holocausto está no nosso DNA. Mas que culpa você tem? Você é a Jenny. Deixa disso."

Transcrito da edicão de FOLHA DE S.PAULO de 8 de outubro de 2013 (UOL)
Com agradecimentos.




Na postagem abaixo, sobre minha visita à Fábrica-museu Oskar Schindler, postei a foto do avô da jovem, que atirava nos prisioneiros da janela de sua sacada, citado no texto...

1 Comments:

  • Como a vida nos prega peça!! Confesso a vc Paulo, que não gostaria de estar no lugar dela. O sofrimento de ser abandonada agora se torna menos dolorido mas...como aceitar sua origem, melhor como entender? Uma jovem bonita, inteligente, cheia de vida, apesar de tudo o que passou, se deparar com uma situação nova e dolorosa tb. Só Deus para orientar e serenar tal dores, com certeza!
    Rezo por ela para que continue se cuidando para que tal verdade descoberta, não a destrua como fez a sua avó e mãe, que encontra-se totalmente destruída psicologicamente. E como não ficar?
    As vezes me pergunto PQ? Pq vez ou outra temos noticias desses monstros ainda nos dias de hoje? Mesmo Pq, como esquecer que seres como estes viveram sobre a mesma terra que vivemos!
    Que ela tenha força e nunca perca sua fé para ajudá-la a viver com essa verdade familiar!
    Li nos jornais e agora aqui, parabéns amigo. Notícias assim precisam ser compartilhadas e o que nos resta é desejar muita força!
    aBRação!

    By Blogger Maria Thereza, at quarta-feira, outubro 09, 2013 12:49:00 AM  

Postar um comentário

<< Home