Paulo Franke

05 maio, 2010

V- ISRAEL-Das cinzas do tempo às cinzas do vulcão











"Das cinzas do tempo às cinzas do vulcão"


Ainda que tenha escolhido este título para esta última postagem sobre a visita a Israel, minha intenção não é a de filosofar, mas tratar principalmente de amenidADEs, depois da dramaticidade da última postagem. Não posso omitir, no entanto, momentos de insegurança que envolveram a etapa final da minha viagem.

E exatamente a terminação ade vem prover-me das divisões dos assuntos finais que vou contar ao caro leitor, grato àqueles que viram minhas fotos e leram os textos das quatro postagens anteriores.





- ProvidencialidADE:


No último dia em Jerusalém, ao averiguar como iria para o Aeroporto de Ben Gurion no dia seguinte, a notícia nos veio pela televisão no hostel: todos os vôos haviam sido cancelados pelas cinzas do vulcão da Islândia que se espalhara, fechando a maioria dos aeroportos europeus, principalmente no norte!


Devo ter "pensado alto", sem querer, para alguns jovens finlandeses pentecostais (foto) hospedados no mesmo hostel e com quem conversara animadamente horas antes no terraço naquela tarde, sob um sol de verão e contemplando a velha Jerusalém. E como eu me "viraria"? Meus medicamentos no final da viagem estavam também no final... minha grana (não uso credicards) idem... Tendo viajado pelo mundo inúmeras vezes, jamais eu ficara "preso" em um lugar... A experiência era totalmente desconhecida, portanto preocupante.

"Paulo!"... Virei-me do computador do hostel, onde estava escrevendo para a Anneli, e vi o rapaz estendendo sua mão e dando-me 200.00 NIS (new israelian shekel)... Abracei-o, agradecido, de fato sem palavras.


"E por que você não vem conosco para o aeroporto amanhã?" Aceitei a providencial carona sem pestanejar.

No aeroporto, no outro dia, depois de entregar o carro que haviam alugado, falaram-me:



- "Decidimos que não vamos ficar no aeroporto, mas aceitar o convite de amigos nossos e ficarmos em sua casa em Jerusalém até tudo se normalizar!"


E ao nos despedirmos, tanto ele quanto ela colocaram na minha bolsa de viagem outros 200.00 NIS. E uma sacola cheia de comestíveis que haviam comprado!!
Fiquei boquiaberto com a atitude deles, verdadeira providência de Deus em um momento em que eu precisava tanto!!




Bem perto do Muro em Jerusalém eu havia fotografado esta antiga casa, atraído pelo que estava escrito: "Comida grátis para os necessitados"... No momento da foto, pensei comigo: "Olha, eles fazem o mesmo que nós fazemos semanalmente na cidade onde moramos!", isto é, damos comida e dinheiro aos necessitados!


Então, "caiu a fichinha": Deus tocara o coração daqueles jovens para me ajudarem como um tipo de retribuição ao que eu fazia para as pessoas necessitadas. Naquele momento, era eu um necessitado!

Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás (Eclesiastes 11:1).


- IntranquilidADE




Depois de ficar um dia e uma noite no aeroporto, com o mínimo de movimento de aeronaves aterrissando ou decolando - tentando em vão dormir nos bancos juntamente com centenas de outras pessoas - fui ao guichê da AirBaltic de madrugada e remarquei a minha passagem...



Como fiquei cerca de uma hora sentado no chão esperando o guichê abrir, com minha mala sempre comigo (em Israel não existem lockers), fui o primeiro de muitos a ser atendido. Era o dia 19 de abril e eu viajaria somente no dia 23...marcado a mão na passagem, isso se as erupcões vulcânicas cessassem, o que não era nada confirmado...

Ainda que grato a Deus pela experiência de provisão através dos amigos finlandeses, confesso que durante a noite, olhando os imensos painéis de embarque marcando tipo 90% dos vôos cancelados, invadiu-me uma certa intranquilidade.

Quando amanheceu, tomei um trem e depois um ônibus e dirigi-me a Tel Aviv. No ônibus um senhor apontou para um hostel e eu desci. Felizmente bem perto da praia e, o principal, com um preço que por enquanto eu podia arcar: 13 euros a noite, em um quarto com 4 outros ocupantes.


- ModernidADE



Decididamente, a cidade de Tel Aviv, às margens do Mar Mediterrâneo, em cujo aeroporto - Ben Gurion - entramos e saímos de Israel, é a cidade importante mais moderna do país.



Bem cedo de manhã, fui explorar os arredores.



Belíssima praia, que me lembrou de algumas que banham cidade importantes brasileiras.



Mar azul, areia branca, sol brilhando...



...mas cadê a vontade de nadar?


Admirá-la, no entanto, isso eu fiz!



O feriado do Dia da Independência, data móvel, levou multidões à praia.



Muitas bandeiras israelenses!




Não fotografei, mas vi muitos aviões sobrevoando a praia.





Sei que na noite da véspera do grande dia houve um espetáculo de fogos na praia... fui dormir (atípico!).


- CuriosidADES



Como em toda a praia importante a calçada tem um desenho especial: Tel Aviv não é exceção.



Um grande poster mostra a praia de Tel Aviv certamente nos anos posteriores à independência.



É comum vermos marcos históricos, mesmo na praia...



... apontando para algum capítulo importante ligado à independência.




Mesmo raros prédios antigos e históricos contrastam com os edifícios modernos.



Curioso, eu nunca havia visto um mapa-múndi escrito em hebraico!




E caminhando pelas ruas, uma loja de calçados com um grande poster da top model gaúcha na propaganda de sandálias brasileiras!




Sandálias havaianas made in Israel ou no Brasil, moda!




E a alegria de encontrar um Kentucky Fried Chicken aqui também, onde almocei duas vezes!




Produtos também à venda em Israel. E no McDonald's, além de nuggets, frango frito, uma delícia!



Isso é curioso: McDonald's kosher!!




Eu usando a estrela de Davi e bandeiras dos dois países, nada curioso nisso, afinal!

- Outras curiosidADES:

- As sirenes que soando e todos se mantendo imóveis e em silêncio em sinal de respeito às vítimas do Holocausto naquela semana, aos soldados mortos etc.

- Os alto-falantes nas tantas mesquitas da velha Jerusalém, em alto volume, chamando, em árabe, à oração (já ouvidos em outras viagens a países árabes).


- NecessidADE



Informado pela Anneli através da Internet - usada ao longo de toda a viagem - de que a Embaixada da Finlândia oferecia "empatia, simpatia e café" aos finlandeses e moradores, "presos" em Israel, tomei um ônibus e depois de 45m desci no local indicado:




... a rua BRASIL!

Empatia e simpatia aconteceram por parte da funcionária finlandesa, mas café não, só água!



No último dia em Jerusalém adquiri um remédio, que estava quase no fim, sem precisar de receita médica, mas outro de que precisaria muito, pela informação da funcionária eu teria que obter através de um médico no departamente de estrangeiros do hospital, e o preço que teria de pagar assustou-me: € 100.00 a consulta e os remédios outros € 100.00!!



"Vulcão da vizinha Islândia, páre com suas erupções e de causar problema para milhões de pessoas", deu vontade de gritar aos quatro ventos! Mas era hora de agir e pedir à Anneli que me enviasse dinheiro pela Western Union (depois soube "por outros" que, sozinha em casa, ficara um tanto nervosa com tudo o que acontecia comigo).

- AmizADES/nacionalidADES

Na primeira postagem sobre a viagem publiquei fotos de amigos, ela judia, ambos gaúchos como eu, em cuja casa fiquei em Ashdod, na costa mediterrânea, sendo hospedado por eles e por sua filha com um carinho extraordinário!


De igual forma, não poderia deixar de haver este tópico nesta última postagem! Dado como sou, sem problema nenhum de aproximar-me das pessoas, conversar e fazer amizades em todas as viagens, em Israel aconteceu o mesmo.




Na viagem de ida, chegando a Riga, tendo que esperar mais de três horas para prosseguir viagem a Tel Aviv, fui conhecer a bela capital da Letônia/Latvia com um rapaz judeu que viajava de volta à sua terra depois de visitar a Lituânia (em breve mostrarei fotos da parte antiga dessa magnífica cidade onde a Anneli já estivera, mas que eu nunca).




Ah, os soldados de Israel injustiçados pela mídia!! Sabra é uma fruta israelense, um tipo de cactus, de aspecto rude no seu exterior, entretanto doce no seu interior. Assim são chamados os nascidos em Israel, especificamente os nascidos após a independência, os agora "musculosos judeus", como li!

Confirmo. De uma cortesia impressionante, ao pedirmos uma informação a esses soldados, tanto rapazes quanto moças, quase levam-nos até o local, em alguns casos exatamente, como quando perguntei na grande rodoviária onde deveria tomar um determinado ônibus. O da foto, com sua espingarda, sentou-se ao meu lado quando esperávamos o mesmo ônibus. Ofereceu-me um copo de suco de morango-e-banana, que eu aceitei com muito gosto. E quando perguntei se podia fotografá-lo, disse sim imediatamente.



No sábado (Shabat) os judeus ortodoxos usam trajes especiais, com um chapéu de peles. Este veio usar a Internet no hostel em Jerusalém e conversamos um pouco. Concordou de início a que fôssemos fotografados juntos. E em dado momento vejo-o fazendo massagem nas costas do rapaz da portaria, um palestino de quem é grande amigo! "Ele é um bom judeu e eu sou um bom palestino, que mal há em sermos grandes amigos?", foi a resposta do sempre atencioso palestino da postaria quando comentei com ele a respeito da minha surpresa.


No primeiro passeio pela praia conheci este casal e conversamos por quase uma hora! Ela com um inglês fluente, mas que às vezes parava e perguntava a ele se o significado de uma certa palavra era exatamente o que estava empregando. Ela quando menina vivera em um gueto na Polônia e ele menino presenciara na Alemanha a "Noite dos Cristais", mas por milagre ambos sobreviveram ao Holocausto, emigrando para Israel. Depois da foto e de cordiais despedidas, vejo-os afastarem-se com passos lentos mas firmes na terra a qual amam de todo o coração, herança bíblica dos judeus.




Desta sala na portaria do hostel em Tel Aviv lembrarei sempre como um lugar maravilhoso, de muita camaradagem e longos papos com pessoas que estavam "no mesmo barco", presas pelas cinzas do vulcão, longe, bem longe de casa, entre elas eu. Ali era o lugar onde laptops funcionavam sem cessar tentando saber das novidades dos aeroportos, principalmente. Seu nome, Ski Hostel, até que era sugestivo.




Esta francesa simpática e muito culta, com seu laptop era a porta-voz do que acontecia. Prestativa, acessava os sites de diversas airlines tentando prestar informação aos demais. Com ela aparecem outro francês e um boliviano muito amigo também e que me emprestou algumas vezes o seu laptop. Havia momentos em que as notícias se contradiziam e, o pior, outras que diziam que o problema podia estender-se ainda por mais tempo, semanas ou até meses!




Por ouvi-las falando francês, foi uma surpresa saber que estas duas modelos eram brasileiras, a primeira gaúcha e a do meio carioca. Haviam viajado para conhecer Israel durante um longo final de semana livre e, como todos, ficaram presas. Conversei animadamente com a gaúcha e o papo rolou solto entre dois gaúchos que vivem longe da terra e que se encontravam agora, na mesma situação, em Israel! Churrasco, Porto Alegre, a família, a vida de modelo desde os quatorze anos, e agora também de pintora. Felizmente naquela tarde conseguiram um vôo de volta a Paris, onde trabalham.Obtendo o nome de ambas, vi no Google em francês muitas fotos que mostram que amam a profissão e que são mesmo - o que elas humildemente não revelaram - top models!



Mais com cara de apavorado do que de animado, poso ao lado de duas japonesas hospedadas no hostel, admiradas com o arigato e o sayonara que eu sabia dizer. E também com o que lhes contei: que no Brasil há a maior comunidade japonesa fora do Japão.


- SaudADE... FelicidADE!!

Os vôos cancelados começaram a operar novamente! Hora de fazer a mala, despedir-me de amigos que ainda estavam no hostel e rumar para o aeroporto novamente, agora alegre e feliz... as cinzas haviam-se dissipado e também as nuvens de preocupação e insegurança!


Ainda que tivesse que passar 17 longas horas até a hora do meu vôo, ao ver no imenso painel de embarque os antes vôos cancelados agora liberados, On time, não haveria problema nenhum, contanto que voltasse para casa! Mesmo Ben Gurion parecia agora amigável!



"Conquistar o céu/os ares é não somente uma questão de segurança... espiritual, política... e independência econômica não é possível sem comandar o céu/os ares", declarou. Com a proximidade do meu vôo, em um plano bem pessoal senti a veracidade de suas palavras.



Agora era interessante ver não somente as bandeiras balançando ao sabor do vento, mas os aviões se movimentando, decolando, taxiando ou aterrissando.




Tempo de sobra para ver finas vitrines, como as da H.Stern, joalheiro judeu-brasileiro, joalherias muito populares em Israel, agora exibindo miniaturas das obras de Niemeyer.





A simpática gerente- uma judia que quer muito conhecer o Brasil - sabendo-me brasileiro, presenteia-me com um livro com paisagens do Brasil e junto mostruário de jóias, talvez com esperança de que eu comprasse alguma jóia. Quem, eu???




Na minha mala, lápis ecológicos para os netinhos, ímãs de geladeira para os filhos, cremes de mão do mar Morto para a mulher e filhas, um pote de mel da "terra que mana leite e mel" para a Anneli (da sacola dos finlandeses), bandeirinha de Israel e uma latinha de Pepsi-Max vazia para colocar canetas. Só.



Um bom cappuccino israelense tomado despreocupadamente... agora.




Um livro comprado para ler nas horas de espera... pensando que um dia os netos poderão lê-lo também.




Chamando o vôo airBaltic para Riga!



Não exatamente este, mas no aeroporto painéis enormes com destinações etc. em hebraico para depois de um minuto mudarem para o inglês.




No aeroporto de Riga, onde chegamos pela manhã, depois de quase 5 horas de vôo...



... trocando o avião para Helsinki, a somente 1 hora de vôo. O frio e as nuvens anunciavam: estou chegando!





A gaiola dourada, última consideração:

(No momento, a experiência de não continuar viagem como o previsto não parece que foi tão difícil assim. E mesmo lá, confortava-me facilmente com o fato de estar em Israel, terra de milhares de sobreviventes do Holocausto, portanto, o que eu estava passando era de fato algo muito banal e ínfimo sem nenhuma sombra de comparação.)


- No meu próximo sermão, entretanto, contei minha experiência, falando da importância da liberdade. Usando a foto acima, da fina loja do aeroporto expondo pássaros de vidro, contei que foi assim que me senti: em uma gaiola de ouro, perto de uma belíssima praia, numa terra que amo, em um prolongamento justificável de férias, com dias ensolarados etc... mas o fato de estar "preso" fazia a diferença (quem sabe uma provinha do que sentiam os judeus exilados na Babilônia, ou mesmo de exilados políticos). Assim também com muitas pessoas, que parecem ter uma situação em todas as áreas privilegiada, mas, presas - seja o que for que as escravize - sem liberdade, não conseguem ser felizes nem realizadas.


Se, pois, o Filho de Deus vos libertar, verdadeiramente sereis livres (João 8:36).


E nunca me esquecerei da pergunta de um soldado muito amigável com quem conversei perto do Mar Morto. E quando soube que não era judeu, perguntou-me:

.VOCÊ É DO JESHUA?
Firme e orgulhosamente, respondi-lhe:
SIM, SOU!

Louvado seja Deus por JESUS, o maior Judeu que já existiu!




There's no place like home! (Não há lugar como o lar!). Cheguei... a felicidade de um sessentão na idADE com espírito de mocidADE, grato a Deus por mais esta oportunidADE de viajar, ainda mais a Israel!





L i n k s



Terras bíblicas por onde andei:

http://paulofranke.blogspot.com/2008/03/terras-bblicas-por-onde-andei.html


... E para quem curte aeroportos e aviões:

- Aeroporto Ben Gurion - Tel Aviv (onde passei incontáveis horas!)


http://www.youtube.com/watch?v=KooasGMToxU&feature=related

- Decolagem de Tel Aviv

http://www.youtube.com/watch?v=BhbucERTXCk&feature=related

- Aterrissagem em Helsinki pela AirBaltic (idiomas falados pela comissária: letão e inglês)

http://www.youtube.com/watch?v=ll_z8Qp01bA

14 Comments:

  • Muito boa mesmo esta narração do que foi tua viagem a Israel. Deus te deu o dom de escrever e fazer amizades!
    Fico pensando em com Ele faz a cada um diferente do outro, mesmo irmãos. Assistindo a um dvd da família na década de 50, pude observar a diferença entre cada um de nós. O menor ainda bebê não deu para analisar, mas os demais sim. A mais velha sorridente, mas um pouco tímida. Eu, a segunda filha, totalmente introvertida, todo o tempo introspectiva; o segundo mais moço, pequeno ainda prá analisar, mas com o temperamento calmo, e tu, diferente de todos os demais, com uns 5 ou 6 anos, o tempo todo tentando conversar com os presentes e observando tudo ao teu redor. É isso aí! Cada um com o temperamento que Deus lhe deu e o que Ele te deu, tenho certeza, tem sido muito útil para todos os que conheces, como testemunho de um seguidor de Jesus. Que Deus continue te abençoando e te proporcionando muitas viagens! Neiva

    By Anonymous Anônimo, at terça-feira, maio 11, 2010 1:56:00 PM  

  • Paulo,

    obrigada por dividir conosco esta experiência emocionante. Bem documentado. Deus ouviu suas orações e ainda acrecentou tantas experiências bonitas em sua vida.
    Abraço,
    Cecília

    By Blogger anneli, at terça-feira, maio 11, 2010 3:06:00 PM  

  • Muito interessante!

    Fiquei tocado em ver como Deus providenciou todas as coisas.

    Um abraço

    Thierry

    By Blogger paulofranke, at terça-feira, maio 11, 2010 5:40:00 PM  

  • Olá amigo,
    Adorei esta, sem muito peso da dor e, com sentimento mais ameno como vc mesmo disse!
    Realmente, amigo viu como o Pai não desampara? Veio tudo na hora certa e no momento precisado!!! Heheheheh Ele providenciou sua alimentação, remédios e estada, assim simples! Permitindo que sua quase prisão se tornasse mais alegre e menos angustiante. Mesmo com o sentimento da falta de liberdade maltratando seu coração, vc manteve-o aberto. O que lhe permitiu estar aberto para pessoas e situações. Isso é que marca como pessoa especial, sua capacidade de se dar as pessoas sejam elas quem for! Assim sendo vc contrai amizades e alegrias!
    Belas praias e pessoas, amigos que irão junto de agora em diante. Muito bom isso e muito prazeroso, ter esse dom, conversar e fazer amigos! Só faz crescer e nos mostra que Deus o colocou na posição mais acertada para vc! Só o Pai mesmo para nos enxergar tão perfeitamente!
    Agora, devo-te dizer que foi com o maior orgulho que também ADOREI sua resposta a pergunta: VOCÊ É DO JESHUA? Orgulhosamente respondi-lhe: SIM, SOU!
    Que maravilhaaaaaa!!!!!!! Dá um sorriso no coração quando falamos isso , não dá!?
    Que Deus continue lhe abençoando com seu trabalho de amar pessoas sem distinção de nada!
    Grande abraço e mais uma vez, muito obrigada!!!!

    By Blogger Maria Thereza, at terça-feira, maio 11, 2010 10:42:00 PM  

  • Major qdo vi a foto da francesa junto com os bolivianos sabe que achei que era a D`egla conhece né...rs...amei Tel Aviv que linda...! bem e sua provisão que Deus providenciou sem palavras a "Mão de Deus escreveu mais um dos seus milagres"em aspas pois é letra de uma música...olha eclesiastes 11:01 se cumpriu mesmo querido amigo que livramentos...Deus é contigo por onde que que fores sempre, muito lindo e gostei do nome do Hotel dos necessitados mais provisão... Ele sempre cuida dos seus. aBraços brasileiros. ah! major que sandálias lindas da gaúcha Giselle Bundchen não é mesmo? Rs...!

    By Blogger Luzia, at quarta-feira, maio 12, 2010 7:25:00 PM  

  • הַדַסָה ישְׂרָאֵ:
    Amei seu blog e eu não vi tudo, hein?
    Quero parabenizá-lo por abordar assuntos tão especiais e que enchem nossa bagagem da cultura.
    Muito encantada em conhecê-lo, Obrigada por me dar a honra de tê-lo como amigo.
    Abraços!

    By Blogger paulofranke, at quinta-feira, maio 13, 2010 11:30:00 AM  

  • Oi Franke!!!É sempre emocionante ler seu blog, e acabo viajando também. Vc tem o dom de escrever fazer amizades, colocar suas experiências de maneira tão peculiar e espetacular q é difícil parar de ler, vc certamente nos prende, não numa gaiola dourada, mas sim na nossa própria imaginação que de certa maneira faz eu sentir um pouco o que não posso fazer, conhecer a diversas culturas e pessoa maravilhosas desse mundo de Deus... bjoss

    By Blogger rejane_geo, at quinta-feira, maio 13, 2010 2:29:00 PM  

  • Ola Paulo,

    Muito obrigado pela narração, foi muito bom ver como servimos a um Deus tão pessoal.

    Abraços,

    Giordanni de Carvalho

    By Blogger Missão Desafio, at quinta-feira, maio 13, 2010 2:43:00 PM  

  • Major Franke,

    Belíssimos lugares, fotos e uma vontade de conhecer ainda mais a TERRA SANTA.

    Parabéns por compartilhar conosco esta experiência.

    Abraços.
    Nilton Sales - Exército de Salvação - Central - SP.

    By Blogger nilton, at sexta-feira, maio 14, 2010 5:12:00 PM  

  • Anonimo disse:

    That's so good, I'm glad for you...I wish many visitors because your Blog is GREAT, congratulations friend !

    By Blogger paulofranke, at quarta-feira, maio 19, 2010 11:01:00 AM  

  • Postagem muito legal...
    Gostei desse bastidor da confusão das cinzas islandesas, apesar de ter sido muito dificil para você aposto que por um lado foi muito bom...teve experiencias e fez novas amizades que poderia não ter feito se não tivesse acontecido isso. Afinal, Israel parece ter um povo muito receptivo e é uma terra linda !
    Parabéns, adorei as 5 postagem sobre sua viagem, ótimo.
    Abraço !

    By Blogger João Guilherme, at sábado, maio 22, 2010 5:54:00 PM  

  • Que super aventura,meu amigo! Aventura mesmo, com direito a medos e aflições. E a melhor parte é que tudo terminou bem. No final, passado o tempo, não dá até um arrependimentozinho por não ter aproveitado o que a oportunidade da "gaiola" ofercia, enquanto o avião não partia? Mas é quase sempre assim: as preocupações atormentam a mente enquanto as coisas não se resolvem.
    Fiquei admirada com nosso Brasil aparecendo nas calçadas e lojas da cidade, bem como muito em representada pelas modelos e pela nossa "alemoazona" Gisele (a filha dos Bünchen, teus vizinhos). E é emocionante saber que sempre somos benvindos, em todos os todos os lugares do mundo.
    Menino.. voce nunca vai se dar conta que já passou dos 25 anos, faz tempo! Acho que voce perdeu sua certidão de nascimento naquela época. Que ótimo - assim não a vemos se amarelando pelo tempo (consequentemente, a mente também não "amarela"). Te admiro muito, por tanta energia para a vida. Grande abraço! Karin

    By Blogger Blogger da Karin, at segunda-feira, maio 24, 2010 3:26:00 AM  

  • Querido Major Paulo,
    Obrigada por dividir conosco suas experiêcias,estão bem documentadas e inspiradoras.
    Amei ao fazer a leitura e senti bem de perto,a Grandiosidade do nosso DEUS em ser nosso Jeovah Jirê,suprindo suas necessidades naqueles momentos tão delicados.ESSE É O NOSSO DEUS!!!
    Postagens lindas e inspiradora.
    Bj grande no seu coração ,meu irmão!!
    Maravilhosa PAZ!!
    Déa Mendes RJ/Brasil

    By Blogger DEA, at quinta-feira, maio 27, 2010 12:45:00 AM  

  • Incrível seu dom de envolver as pessoas com suas palavras, entrei nesse blog procurando sobre a existência de vulcões em Israel - para entender uma das maldições citadas por Moises - e quando me percebi já havia lido todo seu relato e nem me recordava mais o que procurava quando entrei por aqui. Que o Senhor esteja contigo quando entrares e quando saíres de qualquer lugar que for! (Sonaira)

    By Anonymous Anônimo, at segunda-feira, junho 10, 2013 3:40:00 PM  

Postar um comentário

<< Home