Paulo Franke

15 setembro, 2011

Visão física e espiritual. Confira os problemas semelhantes.



Para não criar problema com os olhos de ninguém, estou publicando os meus próprios olhos para ilustrar esta postagem. O interessante assunto, que traduzi de um artigo francês do En Avant (revista do Armée du Salut), de artigo virou palestra, de palestra virou pregação e agora vem como postagem no meu blog. Tão antigo é que não guardei o original e, portanto, nem menciono o autor; tão atual é, embora tenha sofrido pelo caminho um ou outro acréscimo, que vale a pena o lermos até o final e diagnosticarmos o nosso problema espiritual. Consideremos, portanto:



A PLESBITIA


O plesbita é a pessoa que só distingue nitidamente as coisas ao longe. Os objetos próximos lhes parecem como que através de um véu. Quano lê o jornal, o coloca na maior distância possível. O plesbita enxerga melhor uma pessoa ao fundo da rua do que aquela com quem fala.


Existe uma plesbitia espiritual, que consiste em enxergar as coisas futuras antes das coisas do presente. O presente não interessa ao indivíduo que o considera sem importância ou valor. A pessoa centraliza a sua vida no futuro. Estão enquadradas aqui certamente as pessoas estudiosas dos últimos acontecimentos, tentando decifrar tudo o que diz respeito ao futuro e atentando a tudo o que surgir trazendo luz ao tempo porvir. É maravilhoso antevermos o céu, e mesmo estudarmos profecias ligadas ao tempo do fim, mas enquanto temos vida precisamos também contribuir para tornarmos nosso mundo melhor, ajudando nosso próximo ou nossa comunidade.



A MIOPIA


O contrário da plesbitia é a miopia. Os míopes vêem claramente o que os rodeia, distinguindo tudo com clareza. Tudo o que está um pouco distante, no entanto, parece-lhes como que envolto em uma névoa.


Há também uma miopia espiritual que consiste em deixar absorver-se pelas tarefas e cuidados do presente. Envolta na rotina da vida, a pessoa jamais para um momento para procurar ver um pouco mais longe do que o presente. Para elas, só há tempo e disposição para o agora. A existência da alma, o que virá após a morte, o dia do julgamento são coisas distantes para o míope espiritual e ele não os consegue ver. Conheço igrejas cujos hinos jamais mencionam o céu, cujos pastores omitem o porvir em suas mensagens. São igrejas que enfatizam a prosperidade material do crente e dos pastores, o grande alvo por servir a Cristo. O que importa é a vida terrena, o dia de hoje, se possível com fartura. Os abusos nesta área têm manchado o Evangelho, como sabemos. É um"outro evangelho" que pouco tem a ver com o do Novo Testamento. Ah! como se faz necessário nos dias de hoje o dom do discernimento de espíritos, nestes tempos em que o engano dos falsos mestres, dos lobos em forma de ovelhas, mais e mais se pronuncia com o final dos tempos.


O ASTIGMATISMO


O astigmatismo é outro problema visual. A pessoa portadora tem uma visão deformada e vê as coisas com os contornos falsos, longe da realidade.


No plano espiritual existem aqueles que nunca vêem as pessoas nem os acontecimentos como eles realmente o são. Ele os deforma, interpretando-os erradamente. De cada dificuldade faz ele uma montanha, "uma tempestade em um copo de água". De uma palavra mal expressa faz ele um drama. o negativismo geralmente é o seu companheiro. Como se já não bastassem os problemas reais, a pessoa com astigmatismo espiritual inventa ainda outros. Sua visão é de contornos falsos, portanto irreal.



A CATARATA


Na catarata o cristalino perde a sua transparência e se torna espesso. A visão se escurece e a cegueira pode tornar-se total.


E as cataratas espirituais? Um pecado, um vício, uma paixão agem da mesma maneira, cegando aos poucos o portador. O sincretismo espiritual (o termo veio da ilha grega de Creta, significando mistura de crenças, ou seja, elementos de uma religião na outra, ou a união delas) é altamente difundido, cegando o portador. Há também batalhões de retrógrados espirituais que perderam a visão espiritual e se afastaram do caminho de Deus, cegos quanto às verdades do Evangelho que viam tão claramente no passado.


CONCLUINDO...


A enfermidade ou o desequilíbrio na visão espiritual gera inquietação e foge a paz, legado de Jesus a quem nEle crê e obedece aos Seus ensinamentos. A pessoa no fundo sabe que perdeu a visão certa, mas procura disfarçar enganando-se que está certa, daí a falta de paz. Não acontece o mesmo com pessoas precisando de óculos ou trocá-los e vai-se enganando de que está enxergando bem?

A rica cidade de Laodicéia, na Ásia Menor, além de ouro, água mineral e de outras riquezas, produzia um colírio famoso. Por esta razão, na carta a essa igreja, em Apocalipse 3:18, há menção à visão espiritual que os cristãos daquela cidade deveriam possuir: "... e colírio para ungires os teus olhos, a fim de que vejas".


A medicina tem, através de cirurgias bem-sucedidas, corrigido ou devolvido a visão a muitos. Óculos tornam a vida de milhões de pessoas mais saudáveis no sentido visual.


Jesus Cristo, o Oculista dos oculistas, pode fazer milagres nessa área em sua vida espiritual, a fim de que seja dito a seu respeito: "Então novamente lhe pôs as mãos nos olhos e ele, passando a ver claramente, ficou restabelecido e tudo distinguia de modo perfeito" (Marcos 8:25).

*

3 Comments:

Postar um comentário

<< Home