Paulo Franke

04 agosto, 2008

De trem pela Europa 9 - Haarlem (Holanda)

Do you want to read this text in English?


Although it is not a perfect translation - sometimes with many mistakes, sometimes very funny! - it can give you an idea of the subject:





Lugares visitados conforme o mapa acima.
(tente aumentá-lo clicando sobre ele e seguindo a direcão das setas)



Bremem, Berlim, Nuremberg (Alemanha), Salzburgo (Áustria), Budapeste (Hungria), Zurique, Vevey, Genebra (Suíca), Haarlem (Holanda), Celes, Bergen-Belsen, Bremerhaven, Hamburgo, Puttgarden (Alemanha), Copenhagen (Dinamarca), Halmstad, Goteburgo (Suécia), Bergen, Oslo (Noruega), Estocolmo (Suécia ) e de volta a Helsinki (Finlândia), onde vivo com minha esposa e duas filhas casadas.



De trem pela Europa 9 - Haarlem (Holanda)




Tendo chegado ao ponto mais sul de minha viagem, agora era hora de subir "mapa acima". Assim, naquela manhã cedo despedi-me dos que me acolheram tão bem em Genebra e tomei o trem para Berna. Tendo de esperar por algumas horas o trem noturno para Hanover, Alemanha, fui conhecer a cidade nos arredores da estacão ferroviária. Chovia bastante, mas deu para conferir que Berna é uma bonita cidade, familiar no sentido de já tê-la visto em algum calendário com paisagens da Suíca que tínhamos a cada novo ano na casa de meus pais, calendários esses que combinavam com a sala de jantar em estilo suíco onde nossa família se reunia para as refeicões. Meu pai encomendara os belos e pesados móveis de um carpinteiro alemão, especialmente para a bela casa que construíra...

zzzzzzzzzzzzzzzz


Deixando de lado as divagacões, prossigamos viagem...



Surpresa de no meu compartimento com quatro camas haver dois judeus. Antes de dormir - percebam a "noite" européia no verão e meus olhos baixando de sono... - uma foto com um deles, um judeu-ucraniano que serve o exército em Israel.



Pela manhã, ele lê as notícias recentes do seu país no jornal emprestado pelo outro israelense.



Uma longa viagem, mas eis que chegamos à bela Holanda, cuja capital Amsterdam não visitei desta vez por tê-la visitado em duas ocasiões anteriores. A pintura em postal serviu de modelo a um dos quadros de meu pai, mas poderia ser uma das paisagens que agora via da janela do trem, rumo a Haarlem, a uma hora somente da capital.




Foto de uma das antigas portas da estacão ferroviária.

...Mas por que visitar a cidade de Haarlem mesmo??

(O bairro de Harlem em Nova York ,

onde minha esposa trabalhou quando solteira,

já visitáramos em 1977).




Por causa desta que parece uma vovozinha típica holandesa que jamais saiu da rotina de sua casa, tranquila tomando o seu café em uma tarde de verão. Seu nome? Corrie ten Boom (pronuncia-se em holandês Bôôm). Mas a realidade da vida dessa brava mulher foi bem outra.

Até os seus 50 anos viveu uma vida pacata na sua querida e pacífica Haarlem, juntamente com seu pai, que tinha uma relojoaria, e sua irmã mais velha, Betsy, ambas trabalhando com o velho pai no oficio de relojoeiros. Então irrompeu a Segunda Guerra Mundial, a Holanda foi invadida pelos nazistas e o cenário mudou completamente...



Para bem aproveitar o meu único dia na Holanda, andei apressadamente pelas ruas de Haarlem, da estacão até o hoje Museu Corrie ten Boom, mas mesmo assim constatei pelo meu relógio de pulso que chegara cedo demais... Esperei uma hora diante da antiga relojoaria da família Ten Boom, fotografei-a e aos poucos foram se juntando a mim turistas da Austrália, USA
e de outros países.



Enquanto esperávamos, conversando sobre a vida de Corrie ten Boom, diante de nós passou uma funcionária de uma creche e seu "carrinho" carregado de criancas, "prato cheio" para todos tirarmos uma foto. Ainda que ela estivesse de sandálias havaianas e não usando os famosos tamancos, cena mais holandesa naquele momento seria impossível.



Quem leu a postagem de minha passagem por Berlim (2), se lembrará de que um dos motivos de minha longa viagem pela Europa foi prestar uma homenagem ao povo judeu pelos 60 anos da fundacão do Estado de Israel, a nacão com mais de 4.000 anos de história. Haarlem foi em um sentido ligada ao povo judeu, pois aqui a família Ten Boom abrigou judeus holandeses, escondendo-os dos nazistas. A foto é da entrada lateral da casa, situada atrás da relojoaria.




Por esta porta muitos judeus adentraram para serem acolhidos pela família, como também saíram depois de alguns dias para serem abrigados em lugares estratégicos pela resistência holandesa.



A guia nos levou a diversos compartimentos da casa típica holandesa, iguais a algumas que eu conhecera em Amsterdam, pequenas mas confortáveis, aliás, embora de mais de dois andares, bem pequena e estreita, os coracões dos que aí moravam eram bem grandes e espacosos! Na foto a sala, onde ouvimos dramáticos relatos de como a família foi traída por um membro da Gestapo (polícia secreta nazista) passando-se por alguém em necessidade de abrigo.



Cristãos fervorosos, certamente este piano foi usado para tocar e entoar hinos de louvores a Deus, o Chefe Supremo daquela abencoada casa.



Por toda parte, fotos de muitas épocas e geracões da família.



Descobertos, foram levados à polícia, prisioneiros pelo crime de ajudar judeus. As irmãs passaram dez meses em três diferentes prisões e então foram levadas ao campo de concentracão de Ravensbruck...



Fotos de alguns dos judeus que passaram pela casa, conhecida como
"O Refúgio Secreto".



Nos seus livros Corrie conta que miraculosamente conseguiu esconder sua Bíblia enquanto no campo de concentracão. Sempre que as prisioneiras faziam fila para serem revistadas, as guardas sem explicacão aparente mandavam que ela seguisse em frente e não a revistavam...
Um dia queixou-se à sua irmã Betsie, no campo com ela, dos piolhos que infestavam o lugar. A irmã repreendeu-a dizendo que deviam dar gracas a Deus por tudo, mesmo pelos piolhos...

E com sua Bíblia todo o domingo à tarde faziam uma reunião espiritual no pavilhão com quase cem prisioneiras. Estranhamente, nunca um guarda sequer passou pelo lugar. Mais tarde, quando a guerra terminou, soube que os guardas nazistas evitavam aquele pavilhão, com medo dos piolhos...



Muito do que a guia nos contava já havíamos lido nos livros de Corrie, inclusive o episódio em que seu velho e consagrado pai, quando os judeus foram obrigados a usar a estrela amarela de Davi passou a usá-la também, identificando-se com os judeus perseguidos. Morreu dez dias depois de terem sido presos. Havia dito que seria um privilégio dar a sua vida pelos judeus.



Chegamos então ao lugar denominado "o refúgio secreto" no último andar da casa. Ali, no quarto de Corrie, foi construída uma parede falsa que serviu de esconderijo. Os judeus andavam pela casa, faziam refeicões na sala de jantar, mas a um toque de alarme fugiam para o esconderijo, entrando pela parte inferior do armário de Corrie e ficando em pé imóveis e silenciosos. Quando a família foi traída e saiu da casa repentinamente, a Gestapo não descobriu os quatro judeus e dois elementos da resistência que estavam escondidos na ocasião no refúgio secreto, permanecendo ali por mais de dois dias, famintos e sedentos, até serem liberados
pela resistência holandesa.



Terminada a guerra e liberado o campo onde se encontrava (sua irmã faleceu no campo), Corrie tornou-se uma evangelista itinerante, viajando por muitos países e contando sua dramática história - também em livros - que comoveu o mundo. Uma das experiências que conta é a de que certa vez, após uma grande reunião, reconheceu à saída, na fila dos vinham cumprimentá-la, um dos guardas do campo de concentracão que agiu com muita crueldade para com ela e sua irmã. No momento em que o homem lhe estendeu a mão com um pedido de perdão, por segundos ela sentiu-se como com a mão e o coracão paralizados. Então, pediu socorro a Deus em uma brevíssima oracão, e estendeu a mão ao ex-guarda, a exemplo de Jesus que ensinou a prática do perdão. Na foto, Corrie visitando o seu antigo quarto, diante do refúgio secreto.




Tirar uma foto diante da parede aberta para mostrar o limitado lugar é algo obrigatório para os visitantes. E aqui também estou eu com o meu "uniforme de viagem" - com seus excelentes bolsos para guardar passaporte, dinheiro, documentos etc.- conhecido de fotos anteriores e de outras tantas que ainda serão mostradas. De fato, é um casaco excelente, com bolsos "secretos", onde protegi o que era importante para mim. Corrie escondeu e protegeu o que era importante e precioso para a abencoada família: os judeus!



A jovem, uma colega brasileira oficial do Exército de Salvacão hoje servindo em Portugal, enviou-me sua foto diante do Refúgio Secreto quando visitou o museu em 1998, portanto há 10 anos. Guardei-a, alimentando o sonho de um dia também visitar este abencoado e inspirador lugar, o que aconteceu neste verão europeu.



A foto da Igreja Reformada Holandesa de Haarlem, que tirei depois da visita ao museu no caminho de volta à estacão para prosseguir viagem.




Corrie em suas reminiscências refere-se muitas vezes à essa igreja situada bem perto da relojoaria de seu pai.


+*+*+*




Um poema de Corrie impresso em um cartão e oferecido no museu (traducão livre):



Minha vida é como uma tecelagem entre o meu Deus e eu.
Eu não escolho as cores, e Ele trabalha velozmente.
Enquanto está tecendo, em tolo orgulho vejo só o avesso,
enquanto Ele vê o desenho.
Quando o tear silenciar, Ele desenrolará o magnífico trabalho.
Então o Tecelão, com Suas mãos habilidosas,
me explicará a razão de a escuridão ter sido incluída
assim como os fios de ouro e prata no modelo que Ele planejou.




¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤


"O Refúgio Secreto" e outros livros de Corrie ten Boom, da Editora Betânia, e o DVD do filme do mesmo nome (The Hiding Place), da COMEV, podem ser encontrados em livrarias evangélicas do Brasil. Se alguma não os tiver à venda, poderá indicar onde encomendá-los.





Corrie visitou o set da filmagem sobre a sua vida em 1975. Na foto, com a atriz Jeannette Clift, que interpretou Corrie. O papel de sua irmã Betsie foi interpretado por Julie Harris.
Seu pai foi no filme Arthur O'Connell.



Mais de 20 livros, traduzidos para diversos idiomas, têm sido escritos por Corrie ten Boom ou por outros sobre a vida desta heróica mulher que enfrentou humilhacão, opressão e sofrimento, testemunhando no entanto que o amor é ainda mais forte do que o ódio.


*


L i n k:


Em junho de 2008, comemorando um ano após sua morte, os Correios da Holanda produziram nove selos em homenagem à salvacionista, Tenente-Coronel Alida Bosshardt, outra holandesa que heroicamente escondeu criancas judias durante a guerra. Seu trabalho estendeu-se a múltiplos setores assistencias do Exército de Salvacão (Leger des Heils em idioma holandês), inclusive o de ministrar a Palavra de Deus e resgatar prostitutas do Red Light, famoso distrito de Amsterdam, infelizmente visitado por milhares de turistas.

http://paulofranke.blogspot.com/2007/11/ela-escondeu-criancas-judias-durante.html




Procure no "Indice de todos os meus Tópicos" outras histórias comoventes de pessoas que heroicamente salvaram judeus das garras do nazismo, inclusive uma brasileira.

+++++++++++++


Próxima postagem:


"De trem pela Europa 10 - Bergen-Belsen (Alemanha)


Tendo visitado em 2001

o Campo de Concentracão de Auschwitz, na Polônia (veja postagem no Índice de todos os meus tópicos), chegou-me a vez de visitar o Campo de Concentracão de Bergen-Belsen.

15 Comments:

  • Bem, vou caprichar pois serei a primeira a comentar nesse tópico:

    Sem palavras, que lindo.. mesmo pq eu sou a Oficial amiga brasileira na foto desse comentário! Obrigada amigo Paulo, amei a surpresa e quanta emoção e recordações me trouxeram as fotos, os relatos, voce é impecável com as palavras, faz com que imaginemos tal e qual como as coisas ocorreram e como são os lugares...para quem não foi não é? Sua viagem é pra mim mais uma prova de que: "Pra Deus não existe imposssíveis" e nosso Deus é um Deus realizador de sonhos, parabéns amigo por mais essa etapa de sua vida. Que Deus continue a abençoa-lo ricamente hoje e sempre.
    "Se tu uma benção"! Com carinho e um até breve.

    By Anonymous ana amaral, at quarta-feira, agosto 06, 2008 1:07:00 AM  

  • do Japão:

    Paz amigo!!
    Acabo de chegar de uma visita no seu blog,e como sempre encantada com tudo que li..acabei de ler sobre Corrie e tbém sobre a Hungria.

    By Blogger paulofranke, at quinta-feira, agosto 07, 2008 7:26:00 PM  

  • Paulo, mais uma vez gostei demais de ler seu blog. Uma visita a este museu é uma experiência realmente marcante. Muitas vezes reclamamos de muitas coisas na vida, o que humanamente pensando teria sido obvio para as irmãs ten Boom. Elas permaneceram firmes e confiantes diante de Deus.
    Muitas vezes nos perguntamos o por que disto ou daquilo,mas tudo tem uma razão de ser e existir e Deus na sua grande sabedoria escolhe as cores e as linhas. O desenho? Este possivelmente veremos um dia na Eternidade...

    By Blogger Helena, at quinta-feira, agosto 07, 2008 11:36:00 PM  

  • Que linda homenagem vc fez aos 60 anos de Israel e de como escreve no seu blog.tenho certeza que sua viagem foi uma viagem super signifcativa, cheia de momentos unicos.
    Que o Eterno o abencoe grandemente pelo grande coracao que tem em prol do povo judeu.
    Aninha

    By Anonymous Anônimo, at domingo, agosto 10, 2008 10:34:00 PM  

  • Elzita:
    Paulo !!!!
    Q lindo emocionei d++++++++ ao ler !!!!
    Como vc escreve td !!!! nossa até chorei aki !!!! simplesmente LINDO !!!!!
    Olha ja li o livro no Brasil a muitos anos atras, mais vi q vc colocou tbm o livro sera q tem em tds as livrarias evangelicas no Brasil? vc sabe?
    Vc sabia q Nova York antes era Nova Amsterdam ne? e pertencia a Holanda, ai eles trocaram pelo Surimane, por isso o motivo de tantos bairros com nome holandes !!
    Q Deus continue a te usar a cada dia mais e mais !!!!
    Vc e msm um canal de bencao pra vida de muitos !!!!
    Bjos e fka na Paz !!!!!

    By Blogger paulofranke, at sexta-feira, agosto 15, 2008 6:56:00 AM  

  • Elizabeth:
    Parabéns pelo seu Blog. Uma viagem de valor incalculável com belas imagens que nos fazem sonhar.
    Amei ver as fotos da casa de Corrie Ten Boom cujo livro já li diversas vezes.
    Deus te abençoe!!

    By Blogger paulofranke, at domingo, agosto 17, 2008 11:46:00 AM  

  • Paulo, fui mais uma ver dar uma espiada no seu blog. Adoro as fotos e comentários, tudo muito interessante (eu me interesso muito por genealogia e imigração, no caso, a italiana). Deu-me uma vontade enorme de visitar o Museu da Corrie, essa mulher que admiro tanto...
    Lalá

    By Blogger paulofranke, at terça-feira, agosto 19, 2008 7:06:00 PM  

  • Elzita:
    Paulo!!
    Estive em Haarlem domingo, passei na porta da joalheria da Corrie e me lembrei de vc !!
    Pena q estava fechada (aos domingos) !! Só o comercio q estava aberto !!!

    By Blogger paulofranke, at quarta-feira, setembro 10, 2008 8:56:00 PM  

  • oi paulo...
    kara Deus ta t usando...postando coisas q realmente edificam...como um pokinho da vida dessa mulher...
    q Deus continue t abençoando nas tuas viajem...
    abraçoes

    By Blogger Santana, at quinta-feira, outubro 02, 2008 2:42:00 AM  

  • qUE MARAVILHA . ESSA CIDADE TAMBÉM FOI O LOCAL ONDE SE REALIZOU UMA DAS MISSÕES DA 2. GUERRA . ''MARKET GARDEN'ONDE OS ALIADOS TENTARAM TOMAR AS PONTES PARA CHEGAR A ALEMANHA. (SEM SUCESSO). DEUS ABENÇOE VOCE .OB PELA OPORTUNIDADE

    By Blogger alessandra, at domingo, agosto 30, 2009 11:02:00 PM  

  • SR. PAULO VOCE É UM ABENÇOADO. OBRIGADA POR COMPARTILHAR COM TODOS SUAS EXPERIÊNCIAS

    By Blogger alessandra, at domingo, agosto 30, 2009 11:04:00 PM  

  • Emocionante! Sem palavras!

    By Blogger antonyo, at segunda-feira, abril 11, 2011 5:46:00 AM  

  • Recordei minha viagem à Harlem e à casa da Corrie. Muito marcante. Gostaria de poder ainda voltar qualquer dia para lá!

    Abraços!

    Helena

    By Blogger Helena, at sexta-feira, dezembro 27, 2013 10:46:00 PM  

  • Adorei sua postagem sobre a viagem a Holanda. Lugares importantes e de muita qualidade com relação a História que não deve ser esquecida para que não volte, não é?

    By Anonymous Antonia, at sábado, dezembro 28, 2013 12:26:00 AM  

  • Tive a oportunidade de ver o Filme :O Refugio Secreto ,A Biblia nos diz que : Deus é amor e se permanecemos no amor certamente ele permanecera conosco, e tudo concorreá para o bem daqueles que amam a Deus .Para mim foi o que aconteceu com a familia Te Boom , que sentiu compaixao com a perseguiçao aos judeus , e por isso ela se senssibilizou e começou a usar de misericordia , pois sendo ela temente a Deus , passou a praticar daquilo que estava cheia , (Amor). Esse é o legado de uma bela Historia como essa que me sensibilizou profundamente .Oxala que todas as familias do mundo possam ser um refugio secreto do amor de Deus aqui na terra como foi a da familia Ten Boom . Afinal pode-se perceber que o Amor trinfou , e trinfará sempre pois onde reina o amor , fraterno amor Deus ai estará. !!!!

    By Blogger Douglas paixao, at domingo, dezembro 18, 2016 6:45:00 PM  

Postar um comentário

<< Home