Paulo Franke

03 setembro, 2008

De trem pela Europa 14 - Oslo (Noruega)

Do you want to read this text in English?



Although it is not a perfect translation - sometimes with many mistakes, sometimes very funny! - it can give you an idea of the subject-






Lugares visitados conforme o mapa acima.
(Tente aumentá-lo clicando sobre ele e seguindo a direcão das setas)


Bremem, Berlim, Nuremberg (Alemanha), Salzburgo (Áustria), Budapeste (Hungria), Zurique,Vevey, Genebra (Suíca), Haarlem (Holanda), Celes, Bergen-Belsen, Bremerhaven, Hamburgo, Puttgarden (Alemanha), Copenhagen (Dinamarca), Halmstad, Goteburgo (Suécia), Bergen, Oslo (Noruega), Estocolmo (Suécia ) e de volta a Helsinki (Finlândia), onde vivo com minha esposa e duas filhas casadas.



De trem pela Europa 14 - Oslo (Noruega)





Depois de várias horas viajando desde Bergen, cheguei à capital Oslo. Na parte inferior e central do postal, o castelo do rei Olaf, que tem uma irmã, a princesa Ragnild, que vive no Brasil.




Na rua do hotel, no centro da cidade, as bandeiras escandinavas sobre um prédio.




Caminhando em uma rua central no final de semana, fui atraído para o que acontecia naquele momento: a filmagem para o cinema ou TV noruegueses, pelo modelo do carro e indumentária das atrizes, um filme da década de 40 ou início dos anos 50.




A escultura em bronze de um homem lendo jornal diante de um painel com os jornais da cidade.



O Quartel (sede) Nacional do Frelsesarmeen da Noruega, o maior Exército de Salvacão na Escandinávia.







Em uma das postagens anteriores, referi-me a um compromisso inadiável no final da viagem para o qual não poderia atrasar-me: representar a Finlândia, juntamente com duas colegas oficiais, no grande Congresso Anual da Noruega, cuja preletora oficial seria uma conhecida de outras ocasiões. O tema do congresso: "Alargando Fronteiras". Ambas as colegas já haviam participado de um congresso naquele país, para mim o primeiro. Incluí a Noruega à minha InterRail inclusive para conhecer melhor o grande Exército norueguês, certo de que seria um acréscimo de bagagem, não na minha mala e mochila, mas no meu ministério. Era a hora de hospedar-me em um hotel no centro de Oslo e ter também refeicões durante o transcorrer do congresso, tudo pago pelo Frelsesarmeen que nos convidara.






A General Eva Burrows, visitante especial do congresso, é de nacionalidade australiana, hoje aposentada. Foi a líder mundial do Exército no início dos anos 90. Um feito marcante durante a sua gestão foi a reabertura da obra na Rússia e em outros países antes dominados pelo comunismo. Na Rússia o Exército precisou encerrar suas atividades com o advento do comunismo. Desde a sua reabertura, um cada vez mais florescente Exército de Salvacão alcanca milhares de russos tanto em sua acão social quanto espiritual.
.........................




Foi uma alegria para mim rever a General Eva Burrows! Conheci-a em Londres, em 1973, e depois por ocasião de um congresso no Brasil nos anos noventa. Com quase 80 anos, envelheceu bastante, porém sua mente e sua eloquência permanecem brilhantes. Incansável, participou de todas as muitas reuniões do congresso, sempre usando da palavra e abrindo a Palavra e trazendo a todos os ouvintes como que um jorrar de bêncãos, inspiracão e estímulo!




Escolhi, extraindo fotos da revista norueguesa Krigsropet (à qual agradeco), algumas pessoas para representar os milhares de salvacionistas reunidos. O rapaz à esquerda, representando a Islândia, tornou-se oficial (pastor) na primeira reunião do congresso, juntamente com dezenas de outros, homens e mulheres que dedicavam suas vidas a Deus para servir ao seu semelhante.



Um tipo moderninho - e quem diz que salvacionistas nos 115 países onde opera a nossa obra é gente antiquada? É, acima de tudo, gente dedicada à pregacão do evangelho sempre atual de Jesus Cristo e a ajudar os - infelizmente - sempre atuais necessitados em todas as áreas.


.


No imenso salão onde foi realizado o congresso, muita celebracão e muito louvor! O grupo maior na foto veio das Ilhas Faroes e cantou entusiasticamente!





O Exército é criativo na sua forma de trabalhar, inclusive com um time de futebol de rua, mas sempre alcancando pessoas onde elas estiverem, sentadas em cadeiras estofadas e ricas ou sentadas no chão, principalmente de grandes cidades.



No ano 2000 recebemos este lindo postal de Oslo à noite. Lendo o verso, vimos que a remetente era uma missionária que trabalhou com seu esposo, já falecido, por muitos anos no Brasil, Chile e Bolívia. Pensei na ocasião que Julie Staveland, com seus mais de 90 anos, estaria em seu crepúsculo, quase apagando como as luzes de sua amada Oslo, embora a sua boa caligrafia demonstrasse o contrário...



.



Em agosto de 2008, um pouco depois do congresso, Julie Staveland completou 100 anos e até do Brasil vieram amigos cumprimentá-la. Notícias nos chegaram de que seu centenário foi comemorado em uma linda e grande festa.





Para a mesma revista salvacionista, Julie, com uma memória invejável aos 100 anos, deu uma entrevista e mostrou seus antigos álbuns de fotografia. Nas fotos abaixo, o trabalho que realizaram no Morro do Querosene, no Rio de Janeiro. Mesmo naquele tempo não era qualquer um que podia subir o morro - os salvacionistas tinham carta branca para fazerem o seu trabalho de assistência espiritual e social naquela e em outras favelas.





Assim, homenageio Julie Staveland no meu blog, ao passar por sua terra.





¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤



Próxima postagem:





De trem pela Europa 15 - Estocolmo (Suécia)





å-ö-ä-å-ö-ä-å-ö-ä-å

3 Comments:

  • Paulo, quanta saudade desse tempo! Ainda hoje tenho, na parede da minha sala, um pano bordado pela Sra. Staveland, quando estivemos la em Oslo, eu e minha mae - Sra. Coronel Effer (antes, Brigadeiro Silva para os conhecidos), no seu apartamento de aposentados, muito bonito. Eu o achei muito bonito na parede da sua sala e ela, prontamente, o tirou e mo entregou, dizendo: Tome, eh seu para se lembrar de mim! E realmente sempre me lembro deles, pois ele oficiou o nosso casamento no ano de 1966...O tempo passa mas felizmente as lembrancas ficam! Muito obrigada pelo seu blog, estou gostando muito e "viajando" junto...Um grande abraco, tambem para Anneli, of course!ADY

    By Blogger adelaide, at quarta-feira, outubro 01, 2008 1:26:00 AM  

  • Muito obrigado pelo seu blog na visita a Oslo. Eu tambem estive na casa da Julie Staveland por 3 dias com a minha mae nos comecos dos anos 90. Em Oslo a Kari me levou para visitar um museu de artes contendo as pinturas do sogro dela que achei muito interessante. Mas o melhor mesmo foi a nossa como a Sra. Staveland nos acolheu. Sempre lembrarei essa serva de Deus e o marido pelo que significam para os salvacionistas do Brasil.

    By Anonymous Albert Heinzle, at segunda-feira, janeiro 09, 2012 5:12:00 PM  

  • Corrigindo...

    Foi a Gro, irmã da Kari e filha da Sra. Staveland, quem me levou a visitar o museu de artes contendo as pinturas de seu sogro.

    Albert Heinzle
    Florida - EUA

    By Blogger paulofranke, at segunda-feira, junho 30, 2014 1:12:00 PM  

Postar um comentário

<< Home