Paulo Franke

03 novembro, 2010

Você se lembra dos "Mamonas Assassinas"?

Pedalando a bicicleta ergométrica enquanto assistia a TV naquela manhã de um domingo de março de 1996, de repente foi noticiado em caráter extraordinário que o avião em que viajava o grupo "Mamonas Assassinas" esfatifara-se na Serra da Cantareira, em São Paulo, na noite anterior. O grupo voltava de um show quando encontrou a morte.

Não conhecia muito o grupo, muito menos o que cantava, mas sabia que fazia muito sucesso com suas músicas irreverentes e que tinha um público cativo que abrangia crianças, jovens, adultos e mesmo idosos. Era a febre do momento, e o choque da perda daquelas vidas jovens, no auge do sucesso, como muitos leitores podem lembrar-se, abalou o Brasil.

Naquele ano eu era o editor do órgão oficial do Exército de Salvação, o BRADO de GUERRA/contra todo o mal, e trabalhava em São Paulo. Minha filha mais velha por coincidência era muito amiga de dois jovens cristãos que por sua vez foram amigos do Dinho, a peça-chave do conjunto.

Nesta postagem extraio textos do que publiquei no nosso jornal naquela ano de 1996, há 14 anos... Inicialmente, alguns trechos do testemunho do amigo de Dinho, David...




"Um dia em Guarulhos conheci um rapaz que se identificava muito comigo, com o seu jeito de ser bem aparecido e brincalhão. Meu novo amigo Dinho e eu andávamos sempre juntos, pois gostávamos das mesmas coisas; não trabalhávamos na época, éramos dois desocupados que só pensavam em divertir-se. Tínhamos uma bandinha que de vez em quando tocava em aniversários e barzinhos. Inclusive fizemos uma música para a candidatura de um vereador e a cantávamos nos carros da campanha.

O tempo foi passando e os objetivos foram mudando de ambos os lados. Dinho queria ser alguém de sucesso e começou a correr atrás disso. Eu comecei a trabalhar no aeroporto e lá conheci uma moça do Exército de Salvação e começamos a namorar. E foi através desse relacionamento que tudo começou a mudar na minha vida. Iniciei a frequentar a sua igreja e de seus pais, o Exército de Salvação no bairro do Bosque da Saúde, e um certo dia um oficial falou em alta voz o que ecoou forte no meu coração vazio: "Todos nós temos um vazio, dentro do coração, do tamanho de Deus".

A banda do Dinho, que antes se chamava "Utopia", mudou o nome para "Mamonas Assassinas" e haviam assinado contrato com uma das gravadoras mais importantes do mundo. Suas músicas eram sátiras, uma mistura de tantas bagunças que fizéramos juntos, com o toque do talento de Dinho.

Foi quando Dinho me fez a proposta de entrar para a banda. Ligou-me várias vezes e chegou a brigar comigo por telefone, mas, ainda que não entendesse bem a razão, eu não sentia que deveria aceitar. "Lembre-se de que a realidade é uma só: você vai afastar-se de Deus!", dizia-me minha namorada.

A banda estourou de sucesso, tocava em rádio, TV, era mencionada em jornais, revistas, uma loucura! Fiquei impressionado com o sucesso meteórico da banda e a venda de discos em tão pouco tempo. Em uma ocasião, em um programa de televisão, Dinho comentou com o apresentador que estava muito feliz com o seu sucesso, mas que havia uma pessoa, que era um grande amigo seu, que um dia ainda estaria junto com eles na banda. A mesma declaração ele deu na sua entrevista para a revista ISTOé.

Dinho foi à minha casa, agora uma outra pessoa aos olhos do mundo, mas o mesmo amigo bagunceiro e extrovertido. Contou-me dos shows, da casa que comprara para os pais, da nova namorada e, no final do papo, novamente o convite. Comecei a analisar os fatos por outro ângulo, pensando até que seria bom se entrasse para a banda, pois meu lado financeiro melhoraria muito, poderia ajudar meus pais e garantir um bom futuro, o que para todos nós sempre é um ponto de preocupação.

Contei o fato para alguns amigos, e as opiniões eram diversas. "De que adianta você ganhar o mundo e perder a sua alma?", foram as palavras de Jesus Cristo que alguém me citou. Meu oficial dirigente (pastor) acrescentou: "Você deve estar-se sentindo orgulhoso, pois quem no mundo não gostaria de receber tal proposta, quem seria capaz de recusá-la? No entanto, em nome de Jesus, não a aceite!"

O tempo passou e eis que numa madrugada de sábado para domingo recebi a notícia do desastre e fiquei estático. E ali, diante da situação e perante Deus, pude perceber como Ele é maravilhoso, pois preservou a minha vida. Se esse era o fim da banda, Ele não deixou que fosse o meu, pois tem um propósito muito especial para a minha vida.




Valéria, namorada de David naquele tempo e também uma amiga de Dinho, deu graças a Deus por ter tido a oportunidade de falar-lhe do Seu amor. "Tenho certeza de que no coração de Dinho foi plantada mais uma semente, principalmente porque sua mãe é evangélica e também falou-lhe muitas vezes a respeito de Jesus", escreveu em seu testemunho ao nosso jornal naquele ano.



No ano de 1997, a irmã Célia, mãe de Dinho, foi convidada a participar de um evento de juventude no Exército de Salvação em São Paulo. Após a reunião, em que falou a centenas de jovens, convidei-a para ser fotografada com Anneli, minha esposa, e meu netinho.

ItálicoEntrevistada, a irmã, que pertence à Igreja Evangélica Assembléia de Deus, declarou sua fé e emocionou a muitos com suas palavras as quais foram também publicadas no BRADO, transcritas em resumo a seguir:

"Ouvindo a notícia do desastre, minha interrogação maior foi esta: 'Jesus, eu apresentei meu filho a Ti, na Tua casa, e Tu prometeste salvá-lo, e agora este avião caiu... Eu perdi esta batalha, Senhor?' Passei aquela noite meditando no Salmo 23: O Senhor é meu pastor; e nada me faltará.


Eu só pensava em Jesus, e orava: Jesus, tem misericórdia de mim, ajuda-me, dá-me graça, dá-me força! E assim que o povo de Deus foi ouvindo a notícia, os joelhos começaram a dobrar-se em oração pelas famílias que tinham perdido os seus filhos. Quando eu aparecia na TV, mencionavam que eu era evangélica. E Jesus começou a confortar o meu coração, embora não fosse fácil abraçar um filho numa tarde e na outra tarde não vê-lo mais, como aconteceu.

Faltavam três dias para que completasse 25 anos. Ele aprendeu a louvar a Deus na casa do Senhor e também frequentava a escola dominical. Aprendeu a orar e a buscar a Deus. Nunca deixou o orgulho ficar em seu coração. Eu falava que Jesus o amava, seus olhos se enchiam de lágrimas e ele me dizia que também O amava. Na passagem do ano de 1995, cumprimentou a todos, afastou-se e por mais de 40 minutos e, com as mãos erguidas, buscou ao Senhor em oração. Eu sempre falava que ele tinha um chamado de Deus para louvar o Seu nome, ao que me respondia: 'Mãe, se um dia eu tiver que ser eu vou ser.' 'Mas, meu filho, e se Deus lhe chamar pela dor?' 'Ué, mãe, Deus sabe o que vai fazer da minha vida', respondia-me.

Quando me chegam cartas de pessoas dizendo que 'têm um recado do Dinho', não perco o meu tempo, eu as rasgo e jogo no lixo. Quando chegam fitas de 'mensagens', eu também não aceito. Eu aceito mensagens de Deus, pois Ele fala e responde as nossas orações. Satanás, porém, tenta imitar, pois vem somente para roubar, matar e destruir, mas Jesus veio ... para que tenham vida e a tenham em abundância (João 10:10).

Eu estou emocionada, mas não estou decepcionada com Jesus, de jeito nenhum. Ele não me decepcionou levando o meu filho. Ele só guardou para Ele o que era dEle. Eu aceitei essas palavras e essa é a minha alegria. Eu agradeço a Deus todos os dias por ter tido aquele filho, herança do Senhor. Continuem orando por mim, irmãos, pois necessito. A paz do Senhor seja com todos. Amém."

7 Comments:

  • Confesso que curti os Mamonas enquanto eles estiveram aqui entre nós. Tenho até um cd original do grupo guardado em minhas coisas. Em janeiro de 1996 tive a oportunidade de assistir um show deles em Porto Seguro-BA, quando lá estava em Lua-de-Mel. Mas preferi ficar no hotel. Depois ouvi os comentários dos que foram que apesar de bom, foi muito rápido, pois eles chegaram por volta de 1 hora da manhã e saíram às 2 horas. Sem falar no tumulto, pois tinha muita gente. Lembro das aparições de sua mãe na tv, após o desastre. Mas a história do David é a que devemos ouvir e aprender. Certamente em seu lugar, Jesus teria feito o mesmo.
    COntinue nos brindando com suas mensagens pastor. Deus te abençoe e à sua família também.

    By Anonymous Fábio Cruz (Cidreira), at quinta-feira, novembro 04, 2010 8:37:00 PM  

  • Caro Mj. Paulo,

    que texto significativo: um filho dedicado à Deus, uma mãe sem filho... como consolar um coração assim?
    Espero que um dia, lá no Céu, Deus nos explique muitas coisas que não entendemos! Enquanto isto, espero que ELE nos fortaleça e mande FOGO para nosso Exército!
    Em Cristo,
    Elizier Mendes

    By Blogger ELIZIER, at quinta-feira, novembro 04, 2010 11:11:00 PM  

  • O QUE POSSO ACRESCENTAR ?

    MARAVILHOSO !

    By Anonymous Anônimo, at sexta-feira, novembro 05, 2010 12:12:00 AM  

  • "Ele só guardou para Ele o que era dEle." Lindo!!!...

    By Blogger Vitor Rolf Laubé, at sexta-feira, novembro 05, 2010 1:14:00 AM  

  • Lembro-me daquele domingo ... quem não ficou emocionado naquela ocasião ? foi muito triste, eles eram felizes com o que faziam e contagiavam a todos, dificil a decisão do David, por ser jovem e ter que escolher entre a Fama e tudo que um jovem quer ou seguir o caminho que o levaria ao pai, Jesus o colocou claramente ente a porta dos 2 caminhos existentes e esperou a sua decisão ... após a sua escolha, Jesus escreveu o seu nome no livro da vida ...

    By Anonymous Viviano Moura, at domingo, novembro 07, 2010 3:25:00 AM  

  • Ola Paulo...
    Eu gosto das musicas do Mamonas Assassinas mas não lembro do tal noticiario pois era muito novo, um bebe. Talvez o que tenha mantido eles na memória de muitos foi esse fim prematuro da banda, de grande sucesso e talento, sem duvidas.
    Abraço

    By Blogger João Guilherme, at domingo, novembro 21, 2010 1:50:00 AM  

  • Me poupe!Cada um tem seu caminho.Quem disse que a morte é uma coisa ruim????Isso nada tem a ver com salvação e\ou condenação mas nós só pensamos em julgamento o tempo todo.Foi triste sim,muito triste porque agora eles estão longe da gente Mas TALVEZ NUM LUGAR BEM MELHOR QUE ESSE CHAMADO PLANETA TERRA,onde apontamos o dedo o tempo todo com arrogância e prepotência no coração.Os "Mamonas fizeram uma viagem bem melhor, para outro lado o qual ainda não conhecemos ou melhor não somos capazes de lembrar.

    By Anonymous Silvia, at domingo, março 06, 2016 7:11:00 PM  

Postar um comentário

<< Home