Paulo Franke

29 novembro, 2016

POEMA "O FUTEBOL" - Michel Quoist









"Poemas para Rezar"
Michel Quoist
Livraria Duas Cidades
16a edicão - 1963

22 novembro, 2016

Bíblias que não se queimaram em incêndios...


Uma bíblia foi retirada inteira após a cabine de um caminhão ser destruída por um incêndio no veículo, no final da manhã desta quinta-feira (10.11.16), no quilômetro 440 mais 300 metros da rodovia Marechal Rondon (SP-300), em Lins.





http://blogdocaminhoneiro.com
Novembro 2016

__________________________________

E intacto desde 1993, um texto semelhante...

O Fogo e a Bíblia


                                                                          da comunidade (novembro 1993)

____________________________________

14 novembro, 2016

Cada terremoto me faz lembrar o do Mexico em 1985...

-----------------------




O Terremoto no México



Quando trabalhamos em New Jersey (Corpo de Perth Amboy nas fotos) fui requisitado a ir ao México e fazer parte da equipe americana do Território Leste que falava espanhol e que atuou diante do terremoto, ocorrido em setembro de 1985, na exata hora em que o relógio abaixo parou... conforme minha experiência abaixo:


"... Tive sede e me destes de beber" (Mateus 25:35)


A equipe americana-mexicana (eu de brasileiro).



Sentado entre os escombros, o homem olhava as máquinas retirarem o entulho que restava de um edifício que fora uma maternidade. Em seu olhar perdido havia tristeza e desalento imensos.
Como aquele homem, milhares de outras pessoas aguardavam o resgate de seus mortos após o grande terremoto que, em setembro de 1985, ceifou a vida de mais de vinte mil pessoas na cidade do México e arredores.
Vivíamos nos Estados Unidos naquela época, portanto fui convocado, por falar o idioma espanhol, para fazer parte de uma das muitas equipes de socorro que o Salvation Army enviara ao país vizinho.
Sentindo que a missão que me levara àquele país consistia em mais do que oferecer ajuda material nas cantinas móveis localizadas em diversos pontos da capital mexicana, eu saía às vezes a procurar os sofredores que não vinham a nós. Eles estavam praticamente acampados, por dias a fio, aguardando o reconhecimento de seu ente querido vítima da tragédia que desfigurou a bela cidade. Eram ruínas ao redor e ruínas nos corações.
Chamando-me a atenção aquele homem solitário, aproximei-me e tentei trazer-lhe palavras de consolo em nome de Jesus.
- "O que responderei a eles, como explicarei?" - repetia.
- "O que quer dizer com isso, amigo?" - perguntei-lhe.
- "Meus filhos perguntam-me a todo o momento quando a mãe deles voltará para casa com nosso novo irmãozinho" - respondeu-me apontando para o grande hospital completamente destruído.
Naquele momento, faltando-me palavras diante da extensão e profundidade do sofrimento humano, limitei-me ao simples gesto de colocar o meu braço sobre os seus ombros e fazer uma oração em espanhol em seu favor.
Ele permanceu sentado e eu me retirei. Mais tarde, um colega presenteou-me com a foto que tirara, sem que eu percebesse, no momento em que conversava com aquele pai desesperado. Naturalmente, não sei o que respondeu aos seus filhos, mas vendo a foto lembro-me dele, na certeza de que Deus lhe deu palavras certas para falar aos seus filhinhos em casa. Nem sempre podemos testemunhar de vitórias aparentes e retumbantes em nosso trabalho para o Mestre, mas Ele mesmo nos encoraja a prosseguir, sendo fiéis também nos pequenos gestos feitos em Seu nome.
Precisei voltar à cantina móvel para continuar o humilde trabalho, importantíssimo também no contexto de servir... "Pan? Café con leche? Águal mineral? Quizas un cobertor?"...
"... tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber" (Mateus 25:35). Sim, senti a presença viva de Jesus naquele lugar!

Meditação do meu livro "Edificação Diária"


A maternidade à nossa frente e médicos que lá trabalhavam, certamente aliviados  por não terem estado de plantão quando por ocasião do terremoto.




Com mexicanos e, ao fundo, pilhas de caixões, algo que foi se tornando "normal"... Meu saudoso concunhado Samuel Eliasen, atrás, participou da equipe.


A foto é de faz-de-conta, pois os telefones não estavam em funcionamento, mas a ligação com Deus é indispensável ao fazermos esse tipo de trabalho. Só Ele para nos dar misericórdia, palavra que literalmente significa "ver a miséria alheia com o coração".

09 novembro, 2016

WASHINGTON-DC... de ontem, de hoje... e de agora.

Manhã de 09.11.2016...
Trump foi eleito presidente dos USA!
Vamos debruçar, com toda esta neve na nossa sacada, e ver 
fotos e postais de  Washington-DC...


Visitamos Washington em 1977,
mas não tenho muitas fotos para mostrar...
muitos postais guardados, sim.



Postais eram também e-mails de antigamente, e aproveitávamos o máximo do espaço para nos comunicar com a família e contar nossas aventuras. Mas os versos de postais podem ser carregados de nostalgia e até de tristeza... lembrando-nos dos pais, principalmente, que partiram... e os postais ficaram... comigo que lhes mandei muitos.


O Capitólio


No Memorial a Lincoln


Anneli e Deborah indo para a sepultura do Presidente John Kennedy...



Lá chegando, peguei uma folha de um arbusto espinhoso do local e colei no postal...



O National Air & Space Museum que visitamos.

___________________________



Filho Aaron e noraa e, lá no fundo, a Casa Branca, em fotos da semana passada.




O Memorial a Lincoln.



__________________

Eles foram ao Smithsonian National Air and Space, fora de Washington-DC.  Lembro-te de termos ido a um Museu Smithsonian, não sei se o mesmo.  Fotos abaixo:




O Enola Gay...


 ... que lançou a bomba atômica sobre Hiroshima.






Equipamento do astronauta Armstrong ao pisar a Lua. Em 1969 eu o vi desfilando na Av. Rio Branco, no Rio.


_____________


The last but not the least...


Passando pelo The Salvation Army em Washington-DC, uma foto do edifício divisional, quartel-sede de muitos Corpos (igrejas) e centros sociais que existem na capital americana.
______________

E quanto ao novo presidente?

Como você se sentiria se Trumps vencesse?

- BBC -


Entusiasmados 13% / Otimistas 27%
Preocupados 20% / Assustados 36%

______

Uma nota altamente positiva: 
ele apoia Israel
e é amigo de Benjamin Netaniahu!!




________________________

07 novembro, 2016

Com a MARATONA de Nova York (NYC), o passado é lembrado.

Se posso sugerir... 
veja primeiro as fotos da participação de meu filho Aaron na Maratona de Nova York do ano de 2014, com informação histórica sobre esta, que é a maior do mundo, com mais de 50 mil participantes e um milhão de espectadores:

http://paulofranke.blogspot.fi/2014/11/a-maratona-de-nova-york-2014nosso-filho.html

E vamos à de ontem, 06.11.2016:



Aaron com a cunhada Fabiana e esposo Tiago,
na expectativa do início da maratona.


A maratona atravessou a Ponte Verrazano-Narrows (em inglês:Verrazano-Narrows Bridge), uma ponte suspensa sobre o estreito denominado The Narrows e que liga Staten Island ao popular bairro do Brooklyn na península de Long Island em NYC.


A torcida na chegada.


As medalhas!


Aaron fez o trajeto em 4 horas, 24 minutos e 31 segundos.


Orgulhosos e satisfeitos, voltando pra casa de metrô com suas bem-merecidas medalhas.



Rever os States, sua cunhada e família... para o filho esta viagem teve também o lembrar o passado...

________________


Em 1985 e 1986 vivemos nesta casa, em Fords-NJ, quando Anneli e eu dirigimos o Corpo de Perth Amboy-NJ, a alguns kms. de onde morávamos. Fords fica a cerca de uma hora de Nova York.




Indo passear em Washington-DC com a a esposa, no caminho ele foi rever a casa onde morou quando menino. 



Estas fotos-lembrança que meu filho tirou desencadearam outras de quando moramos em Fords, NJ...



Nós no outono em Fords.


No seu quarto de menino.


Com as irmãs no Natal-1985 naquela casa.


Na porta que dá para o pátio, eu com estranha roupa esportiva, moda por lá naquela época, um calção sobre a calça do abrigo, elegância pura.



Mas o esporte maior era caminhar nas ruas do bairro. 


Quando a neve chegou, as crianças brincavam de escorregar no fundo de casa.


Nossa casa ao fundo.


Passeando em Nova York.



1977, a primeira vez que fomos aos States, sem o Aaron que não era nascido ainda...


... viajando no Jumbo da VARIG.


1977 - a foto repetida muitas vezes.



Em 1980.


Antigos postais.



Battery Park, no sul de Manhattan, onde os salvacionistas desembarcaram para levar o The Salvation Army à América. Foto de meu irmão quando lá morava.

______________

Próxima postagem:

Em Washington-DC, se meu filho ceder algumas fotos atuais para eu juntar com as minhas antigas...

______________


L i n k

Naquele tempo dos slides...

http://paulofranke.blogspot.fi/2013/03/salada-de-slides-sinonimo-de-saudade.html

e também:

http://paulofranke.blogspot.fi/2007/09/no-presente-o-passado-em-slides-i.html

******

http://guiame.com.br/gospel/mundo-cristao/milhares-de-cristaos-se-unem-para-louvar-deus-nas-ruas-de-nova-york-assista.html